The Demoday is dead, long live the Demoday

The Demoday is dead, long live the Demoday

What there is in for me:

  • Why Demodays aren’t working anymore?
  • How Wayra Brazil improved its Demoday format and achieved great results
  • What others startupa accelerators are doing?

In 2014, our team at Wayra Brazil was struggling with the limited results in our last Demoday. Wayra Brazil, as most startup accelerator, had at the end of its acceleration period an event to present its accelerated startups to investors and the market.

To contextualize, in Brazil, we were having a boom of startup accelerators, leading to a boom also in Demodays. Most of them were quite similar, a big event where startups pitched 5-10 minutes to an audience of around 100 people composed of venture capitalists, angels investors, press, partners (lawyers, accountant…), other accelerators, and other startups. After the pitch session, there was some moment to socialize, especially for the entrepreneurs to talk with the investors, while having food and drinks.

It was a big event, therefore was not only expensive but also a burden to organize it.

Our team decided to analyze the problems and propose improvements to this “traditional” format. As we always ask our startups to talk to their potential clients to understand their problems and perspective, we started by talking with our clients: Wayra’s startups, angel investors, and venture capitalist.

Talking with entrepreneurs, we understood better many of the challenges they faced and also asked for ways to improve. The main problems were:

– They had a lot of pressure to do the perfect pitch in 5-10 minutes in front of a big audience;
– They didn’t want to open all their numbers since there were non-investor people, press, and might even have competitors;
– They also had trouble to talk with the investors after the pitch session since the event was crowded, and investors were always stopped by someone;

Talking with the investors, we discovered more problems.

  • The partners in the VC funds didn’t want to participate in Demodays anymore because they couldn’t talk with the entrepreneurs, and startups didn’t present the important numbers. So they sent their analysts which didn’t have the same view and decision power;
  • Investors agenda, especially partners, are really complicated with many travels out of the town;
  • Investors started to see the Demodays as a networking event, instead of a significant deal flow event;

In summary, Demodays were starting to become more of a party than a fundraising event, which, of course, wasn’t what we wanted.

Working with those problems and the ideas investors and entrepreneurs told us, we began to brainstorm how we could improve the Demoday and achieve our goal of increasing the number and the volume of investment in our startups.

After a couple of days discussing, we decided to not only change some things of the Demoday, instead to restructure it. We decided to focus on improving the connection between the entrepreneurs and the investors. That is when we came up with the concept of the Demoweek. Here follow the main changes:

  • The event would be only to investors (angels investors and venture capitalist). If you’re not an investor, sorry but you’re not invited;
  • Instead of a big event for many people, we decided to make it more like a business meeting. The entrepreneurs would have 20 minutes with an audience of no more than 15 investors, who could ask any question at any time;
  • The Demoweek would be (surprise) a week long, giving more schedule options to the partners of the funds to participate. The investors would be divided into small groups to interact better with the entrepreneurs;
  • Each day 8 startups would pitch during the morning organized by the amount they were raising. So we had different days for angel investors, seed investors, Series A, and Series B, making it more straightforward for the investors;
  • Each day after the pitch session, we would offer lunch to the investors and entrepreneurs, giving more opportunity for interaction between the investors and the entrepreneurs;
  • Not all graduating startups were presenting, only startups that were performing and that were raising capital presenting. Also, they could be from any previous batch;

With all those changes, we had incredible results in our first Demoweek. The entrepreneurs and the investors loved the new format. More important; we increased the number of investments in our startups.

We achieved all this while lowering the cost and burden to organize the event. After our first experience, it was settle, our Demoday from that day on, would not be a Demoday, but a Demoweek.

We’re not the only ones to realize the problems of the Demodays, some of other Wayras were trying different formats to improve the outcome.

I know other formats from different accelerators that doing interesting things to solve those problems

One of those accelerators is Techstars Chicago, which has two separate Demodays. The first one happens in the morning only for important investors, where they put all the startups to pitch at the same time to different investors, one at a time, and then the startups rotate to pitch to another investor. The second is in the afternoon and is a bigger event open to the other parties in the community, more similar to the “traditional” Demoday.

The Demodays as we know are with their days counted; new formats will appear to solve the problems listed above and also to adapt to local ecosystems.

I would love to hear your experience with Demoday. How did you think they could be improved? Which other formats did you see and enjoyed?

Key Takeaways:

  • The Demoday format has many problems that some accelerators are trying to solve
  • Dare to think outside of the box, don’t be stuck with a traditional format if it’s not working for you
  • There isn’t a one size fits all for the Demodays, 
  • Always get your customer perspective of a problem before coming up with a solution

Startup Brasil

Startup Brasil

Como vocês sabem, o Startup Brasil está com as inscrições abertas até o dia 31 de março, ou seja, está pertinho já. Caso queira saber um pouco mais sobre o programa, veja a apresentação que o Yuri Gitahy da Aceleradora fez, clique aqui.

Espero que as suas aplicações já estejam prontas. Se ela já está pronta, agora é a hora de decidir qual a ordem das aceleradoras que sua startup tem interesse em participar.

A seleção das aceleradoras é de suma importância para a startup, pois cada aceleradora tem  especialidades diferentes, recursos diferentes, focos diferentes e ficam localizas em cidades diferentes. Vale lembrar que as startups terão a aceleradora na qual elas entrarem como sócia na startup, por isso é muito importante pensar bem.

Além disso, a aceleradora pode vetar a participação da startup no seu programa se ela achar que a startup não tem o perfil que ela está procurando, então gaste um tempo pesquisando sobre elas e tentando ver se elas podem ajudar sua startup e se sua startup encaixa no perfil que elas estão buscando.

Para ajudar, eu decidi fazer um pequeno resumo falando um pouco sobre cada aceleradora e o que elas possuem de mais interessante para oferecer para a startup, segue abaixo a apresentação:

 

Outra dica é, se você está na região de Campinas no dia 21 de Maio (terça), o Carlos Pessoa da Wayra vai falar um pouco sobre a Wayra e o que ele estão buscando. Seguem os dados da palestra:

Nest Wayra Happy Hour Campinas startup

Modelo de Negócios – EuDecido

Modelo de Negócios – EuDecido

.

Ano passado, assistindo as finais do Desafio Brasil (competição de planos de negócios de startups), eu vi um projeto bem interessante chamado EuDecido e que ficou em 2º lugar naquele ano.

A ideia do Eduardo Medeiros (CEO) era juntar pessoas para aumentar o poder de barganha delas com as empresas. Inicialmente eles começariam com carros e produtos da linha branca mas depois iriam expandir para outras áreas.

Quase um ano depois, eles finalmente lançaram o sites (foi lançado mês passado) só que eles resolveram pivotar e focar no mercado de carros, pois viram uma oportunidade muito boa e que tinha margens grandes para negociar o preço. Além disso, eles descobriram que uma pessoa gasta em média 80 horas antes de comprar um carro, isso com pesquisa, negociação e finalização da compra.

Dessa forma a EuDecido tem como objetivo negociar o melhor preço do carro que você quer comrpar.

Ok, mas como funciona o modelode deles? É um pouco complicado, mas você vai entender.

Pessoas que estão interessadas em comprar o mesmo carro se juntam e formam um grupo, aí entra a EuDecido e faz uma negociação para ver qual a concessionária de carros que faz a melhor oferta para aquele modelo de carro e para a quantidade de carros que o grupo tem interesse em comprar. Depois da oferta ser feita, as pessoas do grupo pagam uma taxa de 10% do valor do desconto que foi dado pelo carro (entre R$ 100  e R$ 500) que é uma opção de compra, ou seja, a pessoa tem a opção de comprar o carro, dessa forma garantindo o seu carro com o preço ofertado, ou pode optar por não comprar e peder apenas esse dinheiro da opção. Se a pessoa decidir comprar o carro, ela vai na concessionária que deu o desconto e acerta com ela a compra e financiamento do carro.

Quando uma pessoa desiste de comprar o carro e abre mão da sua opção de compra, o carro é anúnciados no site do EuDecido para ser vendido pelo preço com desconto.

O modelo de negócio deles é bem interessante e eles foram selecionados no final do ano passado para serem uma das 10 startups a participar do programa de aceleração da Wayra. Vale a pena dar uma olhada no canvas deles para conhecer melhor:

.

.

E você? O que achou do modelo de negócio deles? Achou inovador? Interessante?

Deixe seu comentário e sua opinião.

.

#FicaaDica: O pessoal do EuDecido queria utilizar o mesmo modelo para diversos tipos de produto, porém eles perceberam que a maior oportunidade se encontrava em carros e decidiram focar nesse segmento. Não tenha medo de focar num segmento específico, ainda mais se ele for um grande segmento, mas tentar atingir um mercado muito grande é muito difícil até para grandes empresas, quanto mais para startups, por isso comece pequeno mas pense grande.

.

Modelo de Negócios – Youca.st

Modelo de Negócios – Youca.st

.

Tem algumas ideias que são bem simples (às vezes até parecem simples demais para darem certo, como Twitter), mas que possuem um grande potencial. Uma dessa ideias é a Youca.st, que pretende ser uma espécie de Twitter de notícias, fotos e vídeos curtos dando notícia sobre o que está acontecendo no exato momento.

A ideia surgiu do empreendedor Felipe Gazolla, que é jornalista porém queria encontrar um modelo mais escalável do que o jornalismo tradicional. Foi então que ele percebeu um gap entre os cinegrafistas oportunos (aquela pessoa que estava na hora certa no lugar certo com um smartphone, porém não trabalha fazendo isso) e as agências de mídia que compravam esse material.

Muita gente presenciava e gravava momentos importantes como manifestações, acidentes, eventos e outros, entretanto não sabiam como e nem para quem oferecer esse material. Foi assim que a ideia do Youca.st apareceu.

O objetivo da Youca.st é transformar todas as pessoas com smartphones em cinegrafistas oportunos, dessa forma poder colher material em tempo real e de maneira distribuída.

A Youca.st já passou pelo processo de aceleração da Aceleradora do Yuri Gitahy e atualmente está sendo acelerada pela Wayra da Telefônica, o que prova o potencial do projeto e da equipe.

O modelo de negócios deles é semelhante ao de um intermediário. Ela recebe o material dos cinegrafistas oportunos, através do site ou do aplicativo de smatphone deles, depois eles organizam esse material para apresentar ao público como notícia e para as agências de mídia para ver se elas tem interesse em adquirir o direito de imagem do material. Dessa forma o Youca.st fica com um percentual (infelizmente não consegui descobrir quanto) e repassa o resto do dinheiro para o cinegrafista que fez o material.

Recentemente, eles fizeram a cobertura do Campus Party Recife, sendo essa também uma forma possível de rentabilizar o negócio, cobrindo grandes eventos.

Uma outra possibilidade de gerar receita no futuro é a de criar jornais “de vizinhança” ou temáticos e ganhar usando publicidade e/ou cobrando assinatura.

Abaixa segue o modelo canvas :

.


.

Eles tiveram uma ideia interessante para evitar o dilema do ovo e galinha, ao usar gamefication para incentivar os cinegrafistas oportunos a compartilhar mais notícias, dessa forma o incentivo financeiro não é o único motivador para eles fazer isso, o que é importante em quanto não se tem muitas agências de mídia interessadas devido ao baixo número de notícias. Inclusive, talvez eles pudesse explorar mais usando badges estilo Foursquare.

Também é legal notar que o sistema de geolocalização e organização das notícias é importante para apresentar tanto ao público quanto às agência de uma forma mais inteligente e direcionada.

A Youca.st tem a seu favor o fato de que as pessoas não precisam mudar nenhum hábito, pois elas já gravam e tiram fotos nesses momentos para compartilhar nas redes sociais. Resta ver se o incentivo financeiro vai ser o suficiente para motivar as pessoas a usarem o sistema deles. Pois se uma pessoa que faz uso regular da Youca.st ganhar apenas 20 reais no mês, pode não ser um incentivo suficiente para ela.

.